BURNOUT: Prevenir para não atingir!

Autor

Publicado em:
30 Maio, 2022

Faça o seu pedido de consultas com Catarina Fortunato

BURNOUT: Prevenir para não atingir!

A Organização Mundial de Saúde (OMS), incluiu recentemente o Burnout na sua Classificação Internacional de Doenças (CID-11)1. Trata-se de uma entidade que surge, habitualmente, em resposta à exposição a um stress laboral crónico mal gerido, perante o qual a pessoa sente que não tem as estratégias certas para lidar.
Apesar de poder ser provocado por qualquer tipo de atividade profissional, existem algumas profissões com maior propensão para o atingir, nomeadamente aquelas que implicam um contacto diário com pessoas, com um elevado nível de exigência profissional e um maior envolvimento emocional (ex: profissionais de saúde, professores, serviços de atendimento ao público, etc.). Segundo alguns autores2, o Burnout é caracterizado por uma tríade composta por: exaustão emocional (que várias vezes descrevo como aquela sensação de “obesidade mental”), despersonalização/desumanização e baixa realização profissional. Geralmente, a exaustão mental e/ou psicológica vem também acompanhada de um cansaço físico crónico mais marcado do que o habitual ao final de um dia de trabalho.

Outros dos sintomas físicos que podem surgir incluem: dor e tensão muscular, dores de cabeça, insónias, palpitações, alterações intestinais, entre outros.


Artigos recentes descrevem Portugal como o país Europeu com maior risco de Burnout3,4. Para invertermos esta tendência é fundamental investir na prevenção, na deteção e orientação precoces destas situações para podermos atuar o mais atempadamente possível.
O facto de sermos profissionais extremamente empenhados nunca deverá pôr em causa a nossa saúde e as nossas relações interpessoais. Caso contrário, o Burnout poderá “bater-nos à porta”, mesmo quando achamos que “não chegaremos lá” e que “só acontece aos outros”.
Acredito que apenas conseguiremos ser profissionais de excelência se, efetivamente, nos sentirmos seres humanos física, mental e emocionalmente saudáveis.

Caso sinta que está a precisar de ajuda para inverter uma possível situação de Burnout, não hesite em pedir ajuda, procure um profissional que o possa aconselhar e acompanhar neste processo. Procure um acompanhamento personalizado e especializado que o poderá ajudar a: conquistar um maior desempenho e realização profissional, sem um esforço desmedido; aprender a planear e a gerir melhor o stress do dia-a-dia; e a conseguir viver uma vida mais tranquila e realizada.
Lembre-se que precisa de priorizar a sua saúde e o seu bem-estar para poder cuidar o melhor possível dos outros!

Autora

Catarina Fortunato (OM 61357), Médica de Clínica Geral e Sexologia e Terapia de Casal, no CMM-Aveiro.

Revisão de Literatura

1. Artigo disponível em: https://exame.com/carreira/burnout-vira-doenca-do-trabalhoem-2022-o-que-muda-agora/ . Acedido a 19 abril 2022;
2. Burnout : o segredo para desbloquear o ciclo de stress da mulher / Emily Nagoski, Amelia Nagoski ; trad. Cláudia Ramos. – 1ª ed. – Porto : Ideias de Ler, 2021. – 287 p. : il.; 24 cm. – Tít. orig.: Burnout. – ISBN 978-989-740-122-0;
3. Artigo disponível em https://smallbusinessprices.co.uk/european employee-burnout/. Acedido a 20 abril 2022;
4. Artigo disponível em https://rfm.sapo.pt/content/9638/portugal-e-o-pais- da-ue-com-o-maior-risco-de-burnout . Acedido a 19 abril 2022

Outros artigos

Siga-nos