Diabetes Mellitus do tipo 2 descomplicada

Autor

Publicado em:
9 Novembro, 2021

Faça o seu pedido de consultas com Marta Canha

O que preciso de saber em 5 questões

1) O que é a diabetes mellitus do tipo 2 (DM2)?

Há vários tipos de diabetes, sendo a característica comum entre eles a hiperglicemia (aumento do “açúcar no sangue”). A DM2 é o tipo mais frequente de diabetes (cerca de 90% dos doentes com diabetes têm DM2, quer ao nível global quer no nosso país). Esta doença crónica deve-se a uma diminuição da ação da insulina, seja esta diminuição causada por menor produção de insulina, por resistência do organismo à sua ação, ou ambos. A insulina é uma hormona essencial que é produzida por células do pâncreas, e que tem como função ajudar a glicose (açúcar simples que resulta da digestão dos alimentos) a entrar para as células. As células, por sua vez, utilizam a glicose para conseguirem desempenhar as suas funções, e podem também armazená-la. Quando há alterações na quantidade ou na ação da insulina, gera-se uma incapacidade de o organismo utilizar a glicose para produzir energia, fazendo com que esta se acumule no sangue, surgindo, então, a hiperglicemia, que caracteriza a diabetes.

2) Quem tem maior risco de desenvolver DM2?

Este tipo de diabetes surge, mais frequentemente, em pessoas em idade adulta e em idosos, sendo mais frequente em indivíduos que tenham excesso de peso ou obesidade, e em indivíduos sedentários. Apesar de ser cada vez mais reconhecido que esta doença tem um forte componente hereditário, é crucial que se entenda que a DM2 pode ser controlada e até prevenida, atuando nos fatores de risco modificáveis (como através da adoção de um estilo de vida saudável ao nível nutricional e de atividade física).

3) Quais os sintomas da DM2?

A maioria dos doentes são diagnosticados com DM2 em análises de rotina, e são, portanto, totalmente assintomáticos. No entanto, há doentes que são diagnosticados no contexto de determinados sintomas. Estes sintomas também podem surgir em doentes com diagnóstico prévio de diabetes, caso esta doença esteja mal controlada.

De entre os sintomas a ter em atenção destacam-se:

  • Aumento marcado da sede e sensação constante de boca seca;
  • Aumento da frequência urinária e da quantidade de urina por micção;
  • Aumento da sensação de fome que dificilmente é saciada;
  • Cansaço inexplicado;
  • Alterações da visão (“visão turva”);
  • Perda de peso sem causa aparente.

4) Quais os riscos da DM2?

A elevação da glicemia no sangue de forma crónica associa-se a diversas complicações, que ocorrem nos vários órgãos do corpo; a estas complicações chamamos lesões de órgão alvo. Estas incluem eventos nos grandes vasos (lesões de órgãos alvo macrovasculares), como enfarte agudo do miocárdio ou acidente vascular cerebral (AVC), e nos pequenos vasos (lesões de órgãos alvo microvasculares), como lesões renais e oculares. São ainda complicações da diabetes a diminuição da sensibilidade nos pés, disfunção sexual e gástrica, entre outras. O tratamento adequado da diabetes é crucial na prevenção destas complicações e, quando estas já existem, no seu controlo.

5) Como posso tratar a minha DM2?

A pedra basilar do tratamento da DM2 são as alterações do estilo de vida, nomeadamente no que toca à adoção de uma dieta nutricionalmente variada e equilibrada, aliada a um plano de exercício físico estruturado e adaptado a cada doente. Muitas pessoas conseguem controlar a sua diabetes com o cumprimento escrupuloso destas medidas. No entanto, quando estas, isoladamente, não são suficientes, torna-se necessário instituir terapêutica farmacológica.

Em regra, inicialmente, são utilizados fármacos antidiabéticos orais e/ou injetáveis não insulina, e, numa fase mais avançada da doença, pela sua história natural, pode ser necessário iniciar terapêutica com insulina.

Autora

Marta Canha (OM 64183), Médica Interna de Endocrinologia e Nutrição no CMM-Aveiro e CMM-FisioEstarreja.

Revisão da Literatura

-World Health Organization and International Diabetes Federation. Definition and Diagnosis of diabetes mellitus and intermediate hyperglycemia. 2006.

– American Diabetes Association – Standards of medical care in diabetes. Diabetes Care. 2021.

Artigos Recentes

Siga-nos