Reabilitação em doentes recuperados de COVID-19

Autor

Publicado em:
3 Fevereiro, 2021

Faça o seu pedido de consultas com Alexandra Ferreira

O papel de uma equipa multidisciplinar na recuperação de funcionalidade após infeção

A COVID-19 é uma doença causada pelo coronavírus (SARS-CoV-2), que apresenta um espectro clínico variando de infeções assintomáticas a quadros graves. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 80% dos pacientes com COVID-19 podem ser assintomáticos ou apresentar sintomas ligeiros a moderados.  20% dos infetados apresentam sintomas mais graves, normalmente pessoas com mais de 65 anos e com comorbidades como doenças cardiovasculares, diabetes e doenças respiratórias crónicas. Cerca de 30% das pessoas infetadas com COVID-19 necessitam de hospitalização, e destas, 20% necessidade de internamento em unidades de Cuidados Intensivos.(1,2)

Sequelas nos doentes recuperados de COVID-19

Sabe-se que o internamento prolongado pode provocar diferentes sequelas potencialmente graves, incluindo respiratórias, cardiovasculares, cognitivo-comportamentais, cutâneas, neuromotoras, músculo-esqueléticas, na deglutição e fala, genito-urinárias e dor.(3) A Sociedade Britânica de Medicina de Reabilitação refere que as complicações mais frequentes em pessoas recuperadas da doença COVID-19 são:

  • Descondicionamento cardiovascular, pulmonar e musculoesquelético;
  • Doença pulmonar restritiva;
  • Perturbações afetivas (depressão, ansiedade, perturbação de stress pós-traumático);
  • Síndrome pós-tratamento em cuidados intensivos (polineuropatia, miopatia e uma combinação destas);
  • Outras consequências neurológicas do vírus e internamento em cuidados intensivos (encefalopatia, disfunções cerebrovasculares e hipóxia cerebral);
  • Estado confusional agudo, pelo menos nos estágios iniciais;
  • Fadiga;
  • Défice cognitivo.(4)

A literatura mostra-nos que, em todas as faixas etárias, os sobreviventes de síndrome de dificuldade respiratória aguda (ARDS), frequente encontrada em doentes COVID-19, permanecem com sequelas físicas e psicológicas, que afetam a sua qualidade de vida, até 5 anos.  Verifica-se ainda que 48% dos pacientes não voltam ao trabalho 1 ano após a alta hospitalar e que 32% dos pacientes morrem em 5 anos. (1)

Retorno à vida diária

De forma a promover o retorno às atividades da vida diária é recomendado, após alta hospitalar, a participação em programas de intervenção multidisciplinar, centrados na capacitação funcional global do doente, com vista a potenciação da autonomia e reintegração sociofamiliar. (1,3) A integração nestes programas de reabilitação é também recomendada para aqueles que nunca foram admitidos em meio hospitalar, mas que, 1 a 2 meses após recuperação de COVID-19, ainda apresentem sintomas ou alguma das disfunções acima referidas.(4)

O papel da Fisioterapia na reabilitação do doente recuperado de COVID-19

O Fisioterapeuta, como parte integrante das equipas multidisciplinares, tem um papel relevante na avaliação e tomada de decisão personalizada sobre a intervenção em casos de COVID-19, nomeadamente, pacientes com tosse produtiva (com secreções) e incapacidade de eliminação autónoma,  mas também no desenvolvimento e aplicação de estratégias que visem a diminuição da sintomatologia, a promoção da tolerância ao esforço, da atividade física e da funcionalidade, e o aumento do conhecimento para melhor gerir a doença.(2,5)

O Grupo de Interesse em Fisioterapia Cardiorrespiratória da Associação Portuguesa de Fisioterapeutas, recomenda Fisioterapia respiratória aos doentes que ainda apresentam:

  • Disfunção respiratória ou muscular periférica;
  • Baixa condição física;
  • Dificuldades respiratórias após o exercício;
  • Atrofia muscular (inclusive dos músculos respiratórios e musculatura do tronco);
  • Distúrbios psicológicos como o stress pós-traumático.

Esta recomendação inclui doentes COVID-19 após a alta hospitalar ou convalescença domiciliária, com o principal objetivo de recuperar a condição física e facilitar a adaptação psicológica, integrando a pessoa na sociedade o mais rapidamente possível. (6)

O Grupo CMM oferece serviços médicos (Fisiatria, Pneumologia, Cardiologia, entre outras) e de reabilitação (Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Terapia da Fala) abrangentes, em diferentes unidades distribuídas geograficamente, de forma a responder às necessidades específicas de cada utente.

Para além disso, e de forma a permitir uma maior abrangência e facilidade de acesso aos doentes, poder-se-á se possível e indicado, realizar a sua intervenção recorrendo à telefisioterapia (reabilitação de pessoas à distância usando tecnologias de informação e comunicação). A telefisioterapia possibilita a avaliação, educação, monitorização e exercício físico. (3, 4, 6)

Estando já demonstrado que a intervenção precoce é fundamental para atingir resultados satisfatórios na recuperação da pessoa com doença ou lesão (a maioria da mudança da função física ocorre nos primeiros dois meses), a avaliação Médica e pelo Fisioterapeuta, presencial ou à distância, constitui uma resposta adequada para aumentar o acesso aos cuidados de saúde fundamentais à recuperação da pessoa com COVID-19.

Autora

Alexandra Ferreira Fisioterapeuta (C-056903073) no CMM-Centro Médico de Aveiro: ERS Nº E124106 | Lic. Func.: 8894/2014 | Tlf: 234021610

Artigo revisto em parceria com o Dr. Luís Boaventura (OM 48618) , Médico Especialista em Medicina Física e de Reabilitação

Bibliografia e Referências Bibliográficas

1.Rivera-Lillo G, Torres-Castro R, Fregonezi G, Vilaró J, Puppo H. Challenge for Rehabilitation After Hospitalization for COVID-19. Arch Phys Med Rehabil. 2020;101(8):1470–1.

2. Rooney S, Webster A, Paul L. Systematic Review of Changes and Recovery in Physical Function and Fitness After Severe Acute Respiratory Syndrome– Related Coronavirus Infection: Implications for COVID-19 Rehabilitation. Oxford University Press on behalf of the American Physical Therapy Association. 2020.

3.  Leandro G, Martins D, Vaz I, Rios J. The Physical Medicine and Rehabilitation Approach in COVID-19 Patients with Post-Intensive Care Syndrome in Portugal. 2020;33(11):20344.

4. Phillips M, Prof LT-S, Dr DW, Walton K. Rehabilitation in the wake of Covid-19-A phoenix from the ashes British Society of Rehabilitation Medicine (BSRM). Br Soc Rehabil Med |. 2020;(1):293196.

5. Seixas A. Posição da Associação Portuguesa de Fisioterapeutas acerca da importância da Fisioterapia no processo de reabilitação das pessoas com COVID-19 durante o internamento hospitalar e contexto domiciliário. 2020.

6. Marques A, Silva A, Dias C, Jácome C, Machado F, Cerqueira M, et al. Fisioterapia respiratória em pessoas com covid-19. 2020.

Outros artigos
Siga-nos